NASA NAO RECONHECE DESCOBERTA DE BACTERIA EXTRATERRESTRE

março 7, 2011 § Deixe um comentário

G1, 07-03-2011

NASA NÃO RECONHECE DESCOBERTA DE ‘BACTÉRIA ALIENÍGENA’

Astrobiólogo teria encontrado prova de que existe vida fora da Terra.
Pesquisa ainda não foi aceita pela comunidade científica.

Suposto fóssil encontrado no meteorito
(Foto: Reuters/Journal of Cosmology)
A Nasa divulgou nesta segunda-feira um comunicado oficial deixando claro que não
tem participação na pesquisa que teria encontrado provas de vida alienígena.
Richard Hoover, astrobiólogo que trabalha na agência, assinou um estudo
afirmando isso, divulgado pelo “Journal of Cosmology” na última sexta-feira.
A descoberta veio pela análise de um meteorito chamado condrito carbonáceo CI1 –
um tipo raro, há apenas nove deles registrados na Terra. Examinando com
microscópios, ele encontrou o que seriam fósseis de bactérias semelhantes às
cianobactérias.
A análise concluiu ainda que as bactérias fossilizadas não seriam contaminantes
terráqueos, mas sim organismos nativos do corpo celeste que originou aquele
meteorito – alguma lua, por exemplo.
A conclusão de que essa era uma prova definitiva de existência de vida
alienígena foi contestada na sociedade científica dos EUA. O “Journal of
Cosmology” não é uma publicação bem aceita no meio. Seus métodos de revisão são
considerados pouco rigorosos do ponto de vista científico, ou seja, os artigos
divulgados por ele nem sempre têm fundamento.
O comunicado divulgado pela Nasa, assinado por Paul Hertz, chefe da Diretoria de
Missão Científica da agência, endossa este ponto de vista:
“A Nasa não pode estar por trás ou apoiar uma afirmação científica a menos que
ela tenha sido aprovada por análise colegial ou examinada detalhadamente por
outros especialistas qualificados. Esse artigo foi enviado em 2007 para o
`International Journal of Astrobiology’. Contudo, o processo de análise colegial
não o aprovou. A Nasa também não tinha conhecimento do envio do artigo para o
`Journal of Cosmology’ nem de sua consequente publicação”, dizia o texto. [i]

http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2011/03/nasa-nao-reconhece-descobert
a-de-bacteria-alienigena.html

O buraco negro de deus

março 6, 2011 § Deixe um comentário

O papa disse em 2009 que a camisinha era um risco pra humanidade.

camisinha do papa

O papa bento 16 não está nem aí com a prevenção de DSTs. Existem países na África onde 10 por cento da população está infectada, como a África do Sul. Na cidade de kwazulu-natal chega a 39 por cento. O Vaticano acha que a camisinha não previne o HIV. Os religiosos chamam até médicos, como Dráuzio Varella, de mentirosos.
Estudos com o látex de preservativos mostram que o índice de proteção é em torno de 90 por cento ou mais. Mesmo assim a igreja católica pega os 10 por cento de inefetividade para ajudar a justificar seu não uso.
Pergunte à igreja uma forma alternativa de prevenção e ela vai dizer que se abster e rezar é mais efetivo.
Claro, existe uma proibição da ICAR aos fiéis que é a de não usar qualquer tipo de contraceptivo. Em 2009 o papa disse que a camisinha era um risco para a humanidade. Em 2010 ele disse que podia ser usada em ‘alguns casos’.
Claro que a lógica católica não tem nada a ver com prevenção de DSTs, tem a ver com multiplicação de fiéis e com sua concepção moral própria (1).

Então, você criou tudo.
Sim.
Incluindo os buracos negros.
Sim.
Que eventualmente vão engolir tudo.
Sim.
Inclusive você.
(silêncio)
Estou trabalhando nisso.

o buraco negro de deus

Eles não sabem o que fazer com a ciência.
No ano passado o papa disse que ‘foi deus que criou o big bang’.
Claro, ele tem que ser populista de qualquer jeito. O que aparecer de grandioso na humanidade ele se apressa em dizer que foi mérito do Vaticano com seu deus.
E eles insistem em ensinar o criacionismo nas escolas.
Na Espanha a ICAR ensina nas escolas que a homossexualidade é um ‘vício’, dando a entender que é uma doença. Aliás eles usam o termo ‘homossexualismo’, com uma conotação quase infecciosa.
Eles podem dizer que o deus deles sai criando todo o universo a partir do nada, mas ficam furiosos quando físicos, como Hawking, dizem que a matéria pode ser criada do nada.
No final do ano passado e no começo deste ano, dois artigos científicos sobre o ‘big bang’ revelaram que o início do nosso universo sofreu a ação de forças externas, como buracos negros supermassivos. O físico Roger Penrose afirma, depois de quatro anos de análises de dados de satélites como o WMAP, que nosso universo ‘primitivo’ tem estruturas que foram resultados do impacto ou influência de objetos supermassivos, como marcas deixadas pela interação com esses objetos. A revista Nature ouviu uma equipe de profissionais para revisar o artigo do Penrose e eles concluíram que aquele tipo de estrutura pode ter ocorrido de forma puramente aleatória também. Essa conclusão se baseou, além da teoria, em simulações feitas por clusters de computadores, imitando as condições do universo proposto. Em várias simulações do universo em expansão aleatória as estruturas concêntricas apareciam.
No meio do mês de dezembro passado, Roger Penrose reafirma seu artigo, dizendo que a análise de seus dados é compatível com sua tese (2).
Mas uma teoria pode não descartar a outra. Dizer que padrões em círculos concêntricos surgem do aleatório não descarta que surjam a partir de fenômenos externos também.
O curioso é que, independentemente, outra equipe de físicos trabalhava em um artigo com o mesmo tema. Uma análise de influências externas sobre a expansão de nosso universo mostrando os padrões concêntricos do WMAP.
Múltiplos universos… ou… universos sendo renovados…
Fico pensando como a ICAR vai discursar sobre isso…

Ou…

bactéria encontrada em meteorito

Como será que as religiões e as igrejas vão reagir ao tema da vida encontrada fora da Terra? (3)(4) Arqueobactérias diferentes de tudo o que se viu fossilizadas em meteoritos? A ICAR vai reafirmar a cronologia da Bíblia?
E a ideia da evolução algum dia vai ser compatível com o criacionismo? As bactérias evoluem darwinianamente, estão aí as imunizações a antibióticos, não é?

After intense criticism, they subsequently designated them as “organized elements” so as to not make any judgement as to their biogenicity.

(4) – este é um trecho que diz que um artigo publicado anteriormente sofreu uma crítica tão intensa que tiveram que trocar o nome para ‘elementos organizados’, para que não julgassem sua biogênese.

(5) este é um blog de ciêcias onde há um consenso em que o artigo da bactéria ou é uma fraude ou muito mal feito.

(1) http://virgula.uol.com.br/ver/noticia/inacreditavel/2010/11/24/262972-papa-liberou-camisinha-para-mulheres-e-transexuais
(2) http://www.physicsforums.com/showthread.php?p=3015978
(3) http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/cientista-afirma-ter-encontrado-sinais-de-vida-extraterrestre-em-meteorito
(4) http://journalofcosmology.com/Life100.html
(5) http://scienceblogs.com/pharyngula/2011/03/did_scientists_discover_bacter.php
Frederico Brandt

CIENTISTA ENCONTROU BACTERIA EXTRATERRESTRE EM METEORITO?

março 6, 2011 § Deixe um comentário

VEJA, 06-03-2011

CIENTISTA AFIRMA TER ENCONTRADO SINAIS DE VIDA EXTRATERRESTRE EM METEORITO

Artigo passará por revisão de 100 especialistas e mais de 5.000 cientistas

Candidato a alienígena: a imagem mostra o filamento encontrado por Richard
Hoover dentro do meteorito. Segundo a análise feita em um microscópio
eletrônico, presença de compostos orgânicos podem indicar que se trata de uma
bactéria fossilizada (Journal of cosmology)

O pesquisador Richard Hoover, coordenador de um grupo de astrobiologia da Nasa,
anunciou ter encontrado fósseis de vida extraterrestre em fragmentos de
meteoritos. A descoberta está relatada em um artigo publicado no periódico
Journal of Cosmology, com acesso online livre. Segundo a revista, foram
convidados 100 especialistas e 5.000 cientistas para revisar o artigo “por causa
da natureza controversa da descoberta”.

O anúncio cria expectativa na comunidade científica porque Hoover é um bem
reputado cientista da Nasa e trabalha há muitos anos analisando material contido
em meteoritos. Ele estudou fragmentos de vários tipos de meteoritos condritos
carbonáceos, que podem conter níveis importantes de água e material orgânico.
Nos fragmentos ele alega ter encontrado formas com aspecto de bactéria, que
acredita terem se originado fora da Terra e não após a queda do meteorito no
planeta.

Journal of cosmology

Prima do E.T: a bactéria Titanospirillum velox, que pode viver em ambientes
hostis à vida
O principal argumento de Hoover é que os filamentos fossilizados possuem os
mesmos compostos orgânicos, como carbono e enxofre, localizados nas mesmas
posições de uma bactéria gigante terrestre, a Titanospirillum velox. Trata-se de
uma bactéria extremófila, ou seja, que vive em ambientes bastante hostis à vida.
Boa parte da pesquisa da Nasa sobre astrobiologia se baseia no estudo das formas
de vida extremófilas, as principais candidatas a serem encontradas em outros
planetas.

“Estas bactérias fossilizadas não são contaminantes terrestres (bactérias
terrestres que possam ter contaminado o meteorito). São restos fossilizados de
organismos vivos que existiram em corpos celestes similares aos deste meteoro,
como cometas e luas”, afirmou Hoover.

Confirmação – Estudos afirmando que os meteoritos podem conter micróbios
extraterrestres não são novos e já despertaram grandes debates sobre como
poderia existir vida no espaço e como e onde a vida poderia ter se originado no
universo. Vários outros meteoritos encontrados pela Nasa continham traços do que
poderia ser vida extraterrestre, mas nunca houve confirmação. Em dezembro do ano
passado, a Nasa anunciou a descoberta de uma bactéria terrestre que se comporta
como extraterrestre. [i]

http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/cientista-afirma-ter-encontrado-sinais-
de-vida-extraterrestre-em-meteorito

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com bactéria em Ateularia.

%d blogueiros gostam disto: