VIZINHOS QUEREM MATAR HOMEM POR ELE NAO SER CATOLICO

março 17, 2011 § Deixe um comentário

ZÓCALO, 16-03-2011

“QUASE ME MATAM POR NÃO SER CATÓLICO”

“Casi me matan por no ser católico”

México.- “No tiene ni un mes que esto pasó. Estaba a punto de llegar a la
iglesia cuando vi que había una fila de gente que estaba impidiendo el paso, y
cuando llegué a la puerta me di cuenta que eran mis vecinos, quienes no
permitieron que ni mi familia ni yo entráramos al servicio mientras amenazaban
con lincharme por no compartir sus creencias”, manifestó el reportero ciudadano
que por razones de seguridad, pidió el anonimato.

Ya que hace unas semanas, el vecino de la colonia Viveros Tulpetlac, ubicada en
el municipio de Ecatepec, fue sorprendido por diversos habitantes del lugar,
quienes amenazaron con lincharlo si se atrevía a volver a entrar a la iglesia
cristiana ‘La Roca del refugio’, advirtiéndole que “en esta colonia, somos
católicos y nadie va a poder cambiar eso”.

“Por muchos años, estuve perdido en el vicio del alcohol, al grado de en muchas
ocasiones me quedé tirado en la calle, hasta que un día, el pastor de la iglesia
cristiana ‘La Roca del refugio’ comenzó a platicar conmigo, y unos meses
después, comencé a asistir al templo en compañía de mi familia, nunca habíamos
tenido ningún problema por nuestra fe”, enfatizó.

Más después del incidente, el reportero ciudadano manifestó tener miedo de que
sus propios vecinos cumplan su advertencia, sin embargo, aseguró que estas
acciones no lo alejaran de su fe.

“Ojalá que las autoridades hagan algo al respecto, ya que estoy seguro que mi
caso no es ni será el único que se vive en el estado de México, más también
tengo la certeza de que esta prueba servirá para fortalecer mi fe, pues no voy a
dejar de creer ante sus amenazas”, puntualizó.

Cabe señalar que estadísticas de la Comisión Interamericana de Derechos Humanos
(CIDH) señalan que las amenazas de muerte o hasta la expulsión de familias de
colonias o comunidades son las denuncias más recurrentes de intolerancia
religiosa, las cuales, se han registrado principalmente en los estados de
Chiapas, Oaxaca, Guerrero, Hidalgo, estado de México y Michoacán. [i]

http://www.zocalo.com.mx/seccion/articulo/casi-me-matan-por-no-ser-catolico/

Anúncios

MOÇAMBIQUE: 2 MORTOS EM TEMPLO DA IURD

março 14, 2011 § Deixe um comentário

DIÁRIO DIGITAL, 14-03-2011

MOÇAMBIQUE: DOIS MORTOS NA ABERTURA DE NOVO TEMPLO DA IURD

Duas pessoas morreram esmagadas pela multidão que no domingo participou na
inauguração do novo templo da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em
Maputo, noticiou hoje o jornal Notícias.
O Hospital Central de Maputo, contactado pela Lusa, não confirmou aquela
ocorrência.

O novo templo, o maior da IURD em África, tem capacidade para 3.000 pessoas mas,
segundo o diário de Maputo, mais de 10 mil crentes ter-se-ão concentrado para
ouvir o líder da igreja, o pastor brasileiro Edir Macedo.
[i]

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=499284

MATAR CRISTAOS GARANTE A SALVACAO

março 7, 2011 § Deixe um comentário

VERBO NET, 05-03-2011

ASSASSINOS DO MINISTRO CATÓLICO: MATAR CRISTÃOS ‘GARANTE A SALVAÇÃO’

Escrito por Ervino Martinuz

Islamabad, (SIR/ACI) – O assassinato do ministro católico Shahbaz Bhatti no
Paquistão confirma o ódio religioso por parte dos extremistas muçulmanos que
consideram estes feitos como ‘atos agradáveis a Alá que garantem a salvação
imediata’, denuncia um sacerdote missionário que trabalha no país há 30 anos.
Shahbaz Bhatti foi interceptado por um grupo de mascarados quando saía de sua
residência rumo ao seu escritório. Os assassinos que se identificaram como
membros do Al Qaeda dispararam contra o ministro com armas automáticas durante
dois minutos. O ministro recebeu em total oito disparos que causaram a sua
morte. Os panfletos deixados pelos assassinos de Bhatti na cena do crime
continham frases como ‘foi morto porque era cristão, infiel e blasfemo’, seu
assassinato é parte de ‘uma guerra de religião para eliminar a aqueles que
desejam modificar a lei sobre a blasfêmia’; e ‘por graça de Allá, todos os que
são membros da Comissão de revisão da lei, irão ao inferno’. Em declarações à
agência vaticana Fides, o Pe. Robert McCulloch, missionário e amigo do ministro
católico, adverte que com este brutal homicídio ‘todos os que estão
comprometidos com a reforma da lei sobre blasfêmia estão em grave perigo’. A Lei
de Blasfêmia é uma norma cuja base está na lei Xaria (islâmica) que condena
qualquer ofensa contra Maomé ou o Corão. Qualquer muçulmano pode denunciar
alguém por havê-la transgredido sem necessidade de testemunhas ou provas. As
penas chegam inclusive até a morte e com freqüência esta lei é usada usa para
perseguir os não-muçulmanos como no caso dos cristãos. Para o Pe. McCulloch ‘os
assassinatos motivados pela religião são declarados publicamente no Paquistão
por extremistas islâmicos que os definem como ‘atos que são agradáveis a Alá e
que garantem a salvação imediata’. São declarações que um estado civil deveria
deter’. ‘Quantas mortes temos que esperar até que as autoridades civis e os
muçulmanos moderados tomem uma postura clara e adotem medidas eficazes contra o
uso bárbaro e perverso da religião?’, questionou. O ódio religioso, denuncia, é
cultivado desde as escolas onde se distorce os fatos que são ‘a maior fonte das
tendências extremistas, que têm um impacto devastador na sociedade’. Em alguns
livros de texto oficiais as minorias religiosas são totalmente excluídas e não
São consideradas ‘parte da nação’.

Protestas pacíficas

A agência Fides assinala também que após o assassinato se deram uma série de
manifestações espontâneas repudiando o assassinato. Estas ocorreram em
Islamabad, Lahore, Karachi, Multan e Quetta. Além disso, anunciaram três dias de
luto público, desde a sexta-feira 4 até o domingo 6 de março. Ontem,
sexta-feira, foi proclamado um dia de ‘jejum e oração’. Os restos do ministro
foram levados a igreja de Nossa Senhora de Fátima, em Islamabad, onde Dom
Anthony Rufin, Arcebispo local, celebrou uma missa de sufrágio em presença do
Encarregado de Assuntos da Nunciatura Apostólica, mons. José Luis Dias-Marilbanc
a Sánchez, já que o novo Núncio Apostólico, Dom Edgar Penha Parra, ainda não
tomou posse do cargo. Logo a comunidade cristã se reunirá na tarde no Kushphur
(que significa ‘Cidade da Alegria’), o povo católico da diocese do Faisalabad,
onde nasceu Bhatti, para o funeral; que estará presidido pelo Bispo local, Dom
Joseph Coutts, e concelebrado por todos outros prelados de Punjab. Fides conclui
indicando que se prevê uma maciça presença de autoridades civis, de líderes
religiosos cristãos, hindus e muçulmanos, de ativistas pelos direitos humanos.
[i]

http://www.verbonet.com.br/verbonet/index.php/noticias/8489-assassinos-do-minist
ro-catolico-matar-cristaos-garante-a-salvacao

RITUAL MACABRO TERMINA EM MORTE

março 6, 2011 § Deixe um comentário

FOLHA DA BAHIA, 03-02-2011

RITUAL MACABRO TERMINA EM MORTE

Professora teria sido envenenada, queimada e esquartejada. Corpo foi jogado em
açude de Surubim mês passado

Polícia prende dois homens e uma mulher que esquartejaram professora em ritual
de magia negra. Imagens: Adaíra Sene/DP/D.A Press Um crime cometido em um
suposto ritual de magia negra chocou ontem o bairro do Cordeiro, Zona Oeste do
Recife. A professora da rede estadual de ensino Maria Iracy Tavares de Moraes,
51 anos, foi envenenada, carbonizada e esquartejada. As partes do corpo jogadas
no açude de Surubim, no Agreste do estado, segundo confessou ontem o companheiro
Ailton Félix,41. Os dois eram filhos de santo e moravam numa casa onde
funcionava também o terreiro Axé Iiê de Maria Padilha. O mentor do crime teria
sido o pai de santo Paulo Vítor de Araújo Gomes, 23, proprietário do centro.
Segundo a polícia, com a ajuda da mulher, a ialorixá Elizabete de Lima Santos,
41, teriam envenenado a professora, possivelmente, com cloreto de sódio injetado
na veia dentro do terreiro. Depois, levaram o corpo para um sítio em Surubim,
onde jogaram gasolina e atearam fogo. Em seguida, esquartejaram e jogaram os
pedaços no açude. O companheiro da vítima confessou friamente ter cortado a
mulher em pedaços, ´articulação por articulação`. A relação entre o pai de santo
e a ialorixá é tão estreita que ele tem o nome Elizabete na testa. O jovem tem o
rosto completamente tatuado e nas costas a imagem do satanás em forma de mulher.
Ele negou participação e colocou a culpa no marido da professora morta. Por sua
vez, Ailton Félix disse que apenas seguiu ordens do seu mentor espiritual. A
faca usada no crime foi quebrada em três pedaços e jogada no açude também. O
ritual aconteceu no dia 4 de fevereiro. A ossada foi localizada pela polícia na
última terça-feira. A família comunicou o desaparecimento no último dia 11,
mesmo dia em que Ailton Félix, ameaçado pelo pai de santo, procurou o
Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa para confessar o crime. ´Ele
contou três versões distintas. Por último, nos levou ao local certo`, explicou o
delegado Felipe Regueira. O próprio suspeito entrou no açude e localizou os
pedaços da vítima. Maria Iracy morava no terreiro há dois anos, quando foi
apresentada ao grupo por uma amiga. Relacionava-se com Ailton há um ano
e,segundo familiares, entregava todo o dinheiro que possuía para a ialorixá.
´Ela vendeu uma casa avaliada em R$ 55 mil, fez um empréstimo de R$ 30 mil e até
o carro que tinha entregou para a mãe-de-santo. Na casa, constatamos que o casal
vivia em condições subumanas, enquanto Paulo e Elizabete viviam com luxo na
parte de cima`, analisou o delegado. A professora estava de licença há seis
meses. O delegado disse, apenas, que a vítima tinha uma filha de 30 anos.
´Acreditamos que outras pessoas podem ter sido assassinadas por eles. Vamos
investigar se há outros envolvidos nos rituais e outras vítimas`, disse o gestor
do DHPP, Joselito Kehrler. Na próxima semana será feita a reconstituição em
Surubim. Os suspeitos, todos presos, não participarão. Entrevista >> Ailton
Félix da Silva ´Estou muito arrependido` Como a professora morreu? Era de noite,
teve um ritual e ela ficou molinha. O pai de santo disse que ia dar um soro para
ela, um remédio para ficar boa. Mas depois que injetou na veia da mão dela, deu
dez minutos e ela morreu. Ele disse que o problema estava resolvido. O que
aconteceu depois? Ele chamou um carro e colocou ela dentro. Depois, mandaram eu
ir pra Surubim de madrugada, disseram que eu tinha que fazer umas coisas e que
se eu não fizesse ia ficar junto com ela para sempre. Quando eu cheguei lá, a
gente colocou ela no chão. Ele mandou jogar mato e gasolina no corpo. Quando
terminou de queimar, ele enfiou a faca no chão e mandou eu cortar. Eu
esquartejei quebrando os ossos todinhos, como se fosse um bicho. Fiz sozinho,
deixei no rio e fui embora. Mas no outro dia o dono do sítio achou uns pedaços e
falou para o povo que conhecia Elizabete e que tinha sido Paulo. Há quanto tempo
o senhor conhecia o casal? Eu vivia com eles há seis anos, mas eles torturavam
muito a gente. Tenho um monte de marca no corpo por conta disso. Não tinha como
sair. Você acha que ela morreu por qual motivo? Esse é um negócio que eu não sei
explicar direito. A gente fazia obrigação, mas só trabalhava com bicho. Eles
queimavam a gente com cigarro, isqueiro, queimavam plástico e até batiam, mas
não tinha morte. Esse Paulo Vitor não é coisa boa. Estou muito arrependido.
Outros casos já foram registrados Assassinatos envolvendo supostamente rituais
de magia negra foram registrados em Pernambuco nos últimos anos. Em junho de
2008, depois de 49 dias, a polícia encontrou o corpo do estudante Arlisson
Wanderley dos Santos, na época com 15 anos, enterrado em um dos quartos da casa
alugada pelo amigo Thiago Alves da Silva, 20, no Loteamento Bela Vista, em
Igarassu. Em janeiro do ano anterior, outra barbárie possivelmente ligada à
bruxaria. A gorata Amanda Beatriz de Oliveira, 16, foi estuprada, espancada e
coberta com pó de argamassa por dois colegas, no centro do Recife. O homicídio
de Arlisson foi descoberto depois que o dono da residência percebeu o mau cheiro
do corpo e acionou a polícia. Thiago Alves assumiu a culpa e revelou a
participação de dois adolescentes no crime. O principal acusado teria prometido
a alma da vítima para o diabo em um ritual satânico. Arlisson foi morto durante
uma festa, regada a bebidas e comprimidos de roupinol. Depois de a vítima
´apagar`, ela foi enforcada. O corpo de Arlisson foienterrado ao lado da cama em
que, por vários dias, Thiago ainda dormiu. Depois de preso, Thiago foi
encontrado morto por enforcamento na cela do Centro de Triagem, em Abreu e Lima.
Bruxaria Interessada pelos mistérios do ritual wicca, a estudante Amanda Beatriz
de Oliveira conheceu Geison Duarte da Silva e Thiago Alencar, numa banca de
revistas, na Avenida Conde da Boa Vista. Tornaram-se amigos. Em um dia de
sábado, foram assistir a um vídeo na residência de um dos acusados pelo crime,
na Rua Manoel Borba, na Boa Vista. Ela foi abusada sexualmente e morta a socos e
pontapés. Logo depois, o corpo da adolescente foi colocado no cesto de roupa,
enrolado em uma rede e coberto com argamassa. O assassinato foi denunciado à
polícia pela mãe de Geison. Os dois acusados foram presos. Como o crime
aconteceu Após um ritual de magia negra no terreiro Axé Iiê de Maria Padilha, no
bairro do Cordeiro, Recife, a professora Maria Iracy foi envenenada,
possivelmente com cloreto de sódio. A substância foi injetada na veia pelo pai
de santo Paulo Vitor, no dia 4 de fevereiro. Dez minutos depois, a mulher teria
morrido Ainda durante a noite, o corpo foi levado pelo pai de santo, pela esposa
dele, a ialorixá Elizabete de Lima Santos, e pelo companheiro da vítima Ailton
Félix, para o Sítio do Desterro, na zona rural de Surubim, no Agreste. Chegando
lá, o cadáver foi coberto de mato e gasolina. Foi queimado três vezes até ter
início o esquartejamento Em depoimento, Ailton Félix confessou que cortou o
corpo da companheira em todas as articulações. Comparou com os cortes que dava
em animais sacrificados pelo candomblé. Os pedaços da vítima foram jogados
dentro de um açude. A faca utilizada no crime foi quebrada em três partes,
colocada dentro de uma sacola com pedras e também foi arremessada na água No dia
11 de fevereiro, Ailton Félix procurou a polícia – ameaçado por Paulo Vitor –
para confessar o homicídio. Apresentou três versões distintas sobre o paradeiro
do corpo da vítima. Somente na última terça-feira, o delegado Felipe Regueira,
do DHPP, localizou a ossada de Maria Iracy no açude e os três envolvidos no
crime foram presos. [i]

http://www.folhadabahia.com.br/noticias/lerNoticia.php?id=4126

[O link abaixo tem a foto do simpático pai de santo.]

http://www.ogalileo.com.br/noticias/nacional/professora-e-carbonizada-e-esquarte
jada-em-ritual-de-magia-negra

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com morte em Ateularia.

%d blogueiros gostam disto: